domingo, 14 de janeiro de 2018

CPPME promove projecto "PORTA 20"

 

Testemunho de Jorge Pisco, responsável pelo projeto: "Com o PORTA 20, projecto promovido pela Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas - CPPME, e apoiado pelo COMPETE 2020, pretendemos abrir oportunidades aos empreendedores qualificados das Regiões centro e Alentejo."
______

O projeto PORTA 20 é promovido pela Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Medias Empresas (CPPME) e tem como principal objetivo a criação de 20 novas empresas, de 20 novas entidades de forma sustentável enquadradas no chamado empreendedorismo qualificado e cultural, para que estas tenham uma “vida” e atividade saudável e apoiar cerca de 12 empresas constituídas há menos de 2 anos, nas regiões do Centro e do Alentejo, áreas muito fustigadas pela desertificação, com pouco investimento.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

CPPME Cascais realizou o seu Jantar Fim Ano


Na última sexta-feira do ano findo, a 29 Dezembro, decorreu um muito participado jantar promovido pelo Núcleo de Cascais da CPPME dando oportunidade a um convívio animado mas também à discussão dos problemas que afectam os MPME. 
 
A CPPME Oeiras  esteve representada com a presença de elementos da sua Direcção.
 
Ler intervenção de Quintino Aguiar, Director Executivo da CPPME, no decurso do evento

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Assembleia da República aprovou ontem, o "Programa de desburocratização e apoio às micro, pequenas e médias empresas"


Foi ontem aprovado na Assembleia da República o Projeto de Resolução 829/XIII * cujo texto integral pode ser lido aqui e do qual a CPPME destaca:
«A Assembleia da República, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, recomenda ao Governo a concretização de um programa de desburocratização e apoio às micro, pequenas e médias empresas, que determine:
a) A criação de um regime de conta-corrente entre as micro, pequenas e médias empresas (MPME) e o Estado que alivie a tesouraria das empresas e que, no caso de serem detentoras de crédito sobre o Estado, permita o acerto das suas obrigações tributárias;
b) A adoção de medidas para que as linhas de crédito para as MPME anunciadas pelo Governo (Linha “Micro e Pequenas Empresas”; Linha “Fundo de maneio”; Linha “Plafond de tesouraria”; Linha “Investimento geral”; Linha “Investimento de projetos 2020”) sejam concretizadas com o acompanhamento do IAPMEI em articulação com o IFP, quer na resolução de possíveis obstáculos à sua contratualização pelas empresas quer no controlo das condições, prazos e juros exigidos pela agências de crédito, que devem traduzir de forma efetiva o volume de fundos públicos disponibilizados para a sua bonificação;
c) A adequação do Quadro Comunitário Portugal 2020, no âmbito da sua reprogramação, considerando programas específicos, com plafonds próprios e exclusivos, para as micro e pequenas empresas;
d) A definição de um programa de valorização das MPME, estabelecendo a sua prioridade, no âmbito da contratação pública e funcionamento das Centrais de Compra do Estado;
e) A urgente concretização do anunciado Cheque MPME, obrigando à determinação dos impactos e custos (fiscais, administrativos, de mercados, etc.) em todos os processos legislativos e normativos dos poderes públicos;
f) A intervenção junto do sector financeiro, junto do Banco de Portugal e por intermédio do banco público, Caixa Geral de Depósitos, no sentido do estudo e promoção de uma substancial redução dos encargos das MPME com comissões, despesas de manutenção e outros custos administrativos aplicados pela banca comercial;
g) A criação no âmbito do IAPMEI de um Serviço de Apoio aos Micro e Pequenos Empresários, estrutura dedicada com o objetivo de resolver, orientar e sistematizar dificuldades, estrangulamentos e problemas das micro e pequenas empresas na sua relação com serviços da Administração Central, nomeadamente no acesso a programas públicos para o sector;
h) A criação no âmbito dos programas da Administração Central para a promoção da eficiência energética de um programa específico e de apoios majorados para as MPME, em simultâneo com o desenvolvimento pelo IAPMEI, DGEG e ADENE de um balcão próprio para a sua concretização.»
* 2017-12-21 |  Votação Deliberação
 
  • Votação na Reunião Plenária n.º 30, Ponto a) Aprovado por unanimidade
  • Votação na Reunião Plenária n.º 30, Pontos d), e), f), Aprovado   
    A Favor: PS, BE, PCP, PEV
    Abstenção: PSD, CDS-PP, PAN
     
  • Votação na Reunião Plenária n.º 30, Restantes pontos, Aprovado
    A Favor: PSD, PS, BE, PCP, PEV, PAN
    Abstenção: CDS-PP

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Imagem intercalada 1

"Christmas Networking" - Uma iniciativa da IncubCenter

No passado dia 15 de Dezembro, a IncubCenter convidou os seus clientes - empresas com sede ou domiciliadas naquela incubadora de empresas - para um  "Christmas Networking" tendo acedido ao convite cerca de duas dezenas de empresários. 

A sessão foi aberta com a intervenção da Drª. Paula Saraiva, em representação do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Dr. Isaltino Morais, que anunciou, além das decisões recentes da Câmara (já divulgadas nesta nossa página) estarem em curso várias medidas que virão a ter impacto muito relevante para os empreendedores e para os micro, pequenos e médios empresários, designadamente pela redinamização da OeirasInvest e, também, pela criação de uma estrutura na CMO vocacionada para o contacto com os agentes económicos e para a simplificação dos processos de licenciamento.

A sessão teve, depois, a participação de vários oradores, que desenvolveram temas diversos: "Empresas, Empresários e Enquadramento Jurídico Tributário", pelo Dr. Nelson Miguel Pereira; "Sistemas de Incentivos em Portugal: Portugal 2020, benefícios fiscais, programa SIFIDE (Sistema de Incentivos Fiscais à Investigação e Desenvolvimento Empresarial), Apoios do IEFP, pelo Eng. Francisco Martins; "Novo Regulamento de Proteção de Dados"  Eng. José Guedes.

Em representação da CPPME, Confederação Portuguesa dos Micro, Pequenos e Médios Empresários, Nuno Paulo Santos desenvolveu o tema: "As PME e o Associativismo Empresarial".

Na sua intervenção, depois de situar a importância das MPME na economia, Paulo Santos colocou em evidência os fatores de competitividade que, sendo condicionantes externas e não dependentes da capacidade de gestão, lhes limitam os resultados e constrangem as estratégias e a expansão dos negócios. Concluiria, nessa colocação, que com o reforço do associativismo será possível de alguma forma influenciar, o que chamaria "fatores estáticos" de competitividade, como por exemplo: Fiscalidade; Legislação; Custos energéticos; Acessibilidades; Custos de comunicação; Acesso ao crédito bancário; Custo do crédito bancário; e ainda os contextos ambientais, educacionais, sociais e económicos, culturais.

Evidenciaria que o empresário, isolado ou integrado numa associação que representa sectorial ou regionalmente todas as empresas, independentemente da sua dimensão, tenderá a alienar os interesses dos micro, pequenos e , grande parte dos médios empresários.

Daria de seguida o exemplo da composição do recém criado COMITÉ ESTRATÉGICO PARA A INICIATIVA INDÚSTRIA 4.0 para de seguida questionar se poderão esperar os micro e pequenos empresários perspetivar algumas vantagens competitivas de tão importante iniciativa.

No decurso do debate, o coordenador do Núcleo de Oeiras da CPPME, daria
nota do resultado do inquérito realizado em Oeiras e que dá, do associativismo local, uma ideia de que há muito trabalho a realizar no sentido do seu reforço.

No fim da sessão, a IncbCenter ofereceu um pequeno Buffet de Natal, proporcionando o convívio entre os empresários presentes.
_____________

Ver apresentação "As PME e o Associativismo Empresarial"
Ver texto sobre "Iniciativa Indústria 4.0